Cobertura, Música | Publicado por Rafael Martins em 1 de setembro de 2019.
Diversidade e encontros marcam o Festival Sarará 2019

Com muito respeito e conexão a Esplanada do Mineirão se tornou o local de encontro de vários artistas com mais de 40 mil pessoas.

O Festival Sarará deixou Belo Horizonte muito mais musical e colorida nesse sábado (31). A Esplanada do Mineirão lotada acompanhou as 12 atrações musicais do dia se revezando entre o Palco Conviver 99 e o Palco Tropical Transforma. De acordo com o evento, cerca de 40 mil pessoas compareceram ao local. Entre muitos momentos inusitados, o público ferveu em mais de doze horas de festival. Confira tudo o que rolou:

Não tinha climão com a Letrux. Abrindo os trabalhos, ao meio-dia a carioca pôs a multidão pra dançar debaixo de um calor de 30º com muita personalidade. E para ajudar nessa missão, sua amiga, ninguém menos que Marina Lima, uma das maiores artistas da cena cult nacional trouxe sua magia para o Palco Conviver 99.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Festival Sarará (@festivalsarara) em

Se calor era problema, Silva refrescou corações com o show “Brasileiro”, no palco Tropical Transforma. Por volta das 13h45, o capixaba trouxe seus maiores hits, como Feliz e Ponto”, “Duas da Tarde”, “Fica Tudo Bem” e muitos outros, além de covers da Marisa Monte como “Não Vá Embora”. O Palco Pop teve o privilégio de conversar com esse muso e a entrevista vai ao ar em breve! Fiquem atentos!

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Palco Pop (@palcopop) em

O que aconteceu quando um dos maiores nomes do hip-hop nacional e um dos artistas mais talentosos da nova safra compartilharam o palco? O resultado é nada menos que um show de pegar fogo! Em Djonga convida Mano Brown, o rapper que transformou a terra do pão de queijo na terra do Djonga trouxe o fundador dos Racionais MCs para o Convida 99. Além disso, outros rappers como o duo Hot e Oreia participaram da performance.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Festival Sarará (@festivalsarara) em

Um dos momentos de protesto dessa edição do festival, Djonga lembrou o público da importância de lutar para reverter o triste cenário político nacional. O show ainda contou com a participação de dois indígenas de Porto Seguro alertando sobre a devastação da Amazônia. Entre seus maiores sucessos como “O Menino Que Queria Ser Deus”, “Hat-Trick” e “Olho de Tigre”, Djonga convidou um casal de fãs para subirem ao palco e desafiou o rapaz a pedir a amada em casamento enquanto cantava a música “Leal”, a mais romântica de seu repertório. Dito e feito, e assim mais uma história de amor nasceu no festival Sarará! <3

As 16h15, foi a vez dos meninos do Lagum cantarem no Tropical Transforma. O show do disco Coisas da Geração fez a multidão cantar a plenos pulmões canções como “Oi”, “Bem Melhor”, “Detesto Despedidas” e muitas outras. A imperatriz do pop, IZA deixou todo seu poder levando a platéia ao delírio em “Pesadão” e “Dona de Mim”. Para finalizar a conexão entre dois artistas tão diferentes, IZA e Pedro Calais, vocalista da banda, dividiram o microfone cantando “Deixa”. Um dos queridinhos do Palco Pop, os meninos do Lagum trocaram uma palavrinha com a gente depois do show. Enquanto a entrevista não vai ao ar, confira um vídeo do show:

O Baco Exu do Blues pediu desculpas à multidão por estar doente e não poder ter dado seu 100%, mas foi difícil acreditar que algo segurou o cantor de entregar o seu melhor. O Convida 99 foi a casa do “Bluesman” às 17h30. Entre a raiva, o amor e a depressão, temas recorrentes na obra do rapper Baco uniu o hip-hop, o blues e o samba no show. “Flamincos”, “Me Desculpa Jay-Z” e “Te Amo Desgraça” foram algumas das músicas executadas ao vivo por Baco junto de sua banda.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Festival Sarará (@festivalsarara) em

Duda Beat e Pabllo Vittar tem muito em comum. Ambas nordestinas, conquistaram o Brasil com suas releituras modernas de ritmos regionais com uma pitada de pop. Em Duda Beat convida Pabllo Vittar, no Tropical Transforma, a rainha da sofrência pop e a drag queen mais famosa do Brasil colocaram o Festival Sarará pra subir e descer enquanto choram as dores do coração. Entre hits de Duda como “Chega”, “Meu Jeito de Amar” e “Chapadinha”, as cantoras fizeram um dueto nas músicas “Disk Me” e “Seu Crime”, sucessos de Vittar. Ao fim do show, Pabllo retornou ao palco para performar o hit “Bixinho”, junto com Duda Beat. A química entre as artistas era tanta que até um selinho rolou!

Os moços do BaianaSystem foram os últimos a subirem ao palco Convida 99, às 21h. Num dos melhores momento de suas carreiras, a banda fez um show tão enérgico que pareceu que o Festival Sarará havia apenas começado!

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Festival Sarará (@festivalsarara) em

O Festival Sarará é um evento que preza pela diversidade, o respeito e a empatia. Um espaço para amar e ser amado da maneira que achar melhor e o melhor jeito de encerrar esse espetáculo foi com um dos artistas que mais lutou para que o amor vencesse. Gilberto Gil, anunciado como o ícone da cultura brasileira que ele é, se apresentou no Palco Tropical Transforma às 22h. Em uma hora e meia de show, Gil revisitou os grandes sucessos de seus majestosos 50 anos de carreira.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Festival Sarará (@festivalsarara) em

Mais uma edição do festival se encerrou com um saldo mais que positivo. Em 12 horas de festa, o Festival Sarará lembrou a importância de festejar e celebrar a diversidade de cores, sons e amores, coisas que deixaram Belo Horizonte, e a vida, muito mais linda de ser vivida.

Esperamos nos ver no ano que vem!

Deixe um comentário

*

Direitos reservados. Desenvolvido por Lucas Mantoani.