Colunas | Publicado por Jonathan Oliveira em 23 de maio de 2018.
Lado B: O poder da música nas séries de TV

Lado B é uma coluna sobre os bastidores da música, nas entrelinhas. O Lado B do disco, onde ficam as músicas menos conhecidas, mas que podem dizer muito sobre o processo de criação de um projeto.

Nos últimos anos, é impossível não perceber a influência das séries de TV na cultura pop. De “Friends” (1994) a “Skins” (2007) e de “Lost” (2004) a “Game Of Thrones” (2011), acompanhar esse formato de entretenimento influencia tudo em nossa volta: seja na rodas de conversa com amigos, ao estilo do guarda-roupa, gêneros de livros e, é claro, o poder da música.

Não tem como falar de séries de TV e música e não falar de “Glee“(2009). A história de estudantes desajustados do ensino médio tentando entender quem são através da música foi um grande sucesso. Uma mistura ideal de drama e humor sem esquecer os problemas sociais como o bullying e a LGBTfobia. A série abriu muitos debates sobre o respeito as diferenças.

Além de músicas originais, a série trouxe vários hits atuais em novas versões como “Chandelier” da Sia e reviveu clássicos como “Don’t Stop Believin’” do Journey que basicamente foi o hino da série, um verdadeiro grito de esperança. O impacto das suas versões foi tanto que mais de 207 músicas cantadas pelos atores da série chegaram na Billboard Hot 100, um recorde sustentado até hoje.

Com pouca popularidade, mas considerada uma das maiores farofas da comédia, “Galavant” (2015) trás um estilo musical bem peculiar e chega a lembrar até alguns clássicos da Disney. As canções estão conectadas a história do herói Galavant, que perde toda a sua sorte e tenta de tudo pra recuperar sua reputação e seu ‘Final Feliz’. A série já foi cancelada, mas vale muito a pena para dar boas risadas.

Outra série que não podemos deixar de falar é “Crazy Ex-Girlfriend” (2015). Enquanto você acompanha a história de Rebecca Bunch, uma mulher que larga tudo ao reencontrar um ex namorado da adolescência, acaba descobrindo dois números musicais hilários por episódio. Diferente de “Galavant” que é ambientada com canções antigas, “Crazy Ex” trás canções elaboradas e clipes muito bem produzidos que poderiam ser confundidos por grandes produções atuais.

Saindo da comédia e entrando em um papo sério. Por último, mas nada menos importante, “The Get Down” (2016) mostra o final da década de 70 no Bronx e o nascimento do hip hop em meio a disco music como uma expressão não apenas de entretenimento, mas de exposição da realidade precária da periferia de Nova Iorque. Talvez mais que isso, the get down é a identidade das pessoas que viviam na margem da Big Apple. Não há tantas performances durante a série, mas todos os episódios respiram música e emoção. Veja o trailer!

E aí, o que tá esperando?

Escolha uma das séries, e se jogue no mundo da música através das séries!

Direitos reservados. Desenvolvido por Lucas Mantoani.