Música | Publicado por Anderson Júnior em 21 de março de 2018.
Djonga, “o menino que queria ser Deus”

Semana passada, o rapper mineiro Djonga lançou o álbum O menino que queria ser Deus, uma seleção de dez faixa inéditas, e apareceu na lista dos assuntos mais comentados no Twitter no Brasil. Apesar de outras participações, como a música recém divulgada pela Pineapple, “Poesia Acústica 4# – Todo Mundo Odeia Acústico”, os fãs já estavam com saudade, já que seu último disco, “Heresia”, foi lançado há pouco mais de um ano.

Todas as músicas exibem uma forte crítica à diversos assuntos sociais e contam com a participação dos artistas Karol Conká, Sidoka, Hot DV, Sant e Paige. Uma das faixas que vem recebendo destaque é a canção “1010” onde o rapper recita no final da canção uma carta escrita por Tupac em seu término de relacionamento com Madonna:

Não sei se você consegue me entender, mas pra você, ser vista com um cara preto que nem eu não afeta em nada sua carreira. No máximo vai fazer você parecer mais aberta, mais aventureira. Pra mim, talvez eu vou tá decepcionando metade das pessoas que me colocaram aqui. A verdade é que eu nunca quis te machucar, não sei se cê consegue me entender.
15 de janeiro de 1995, quatro e meia da manhã.
De Tupac, para: Madonna. ”

A capa do projeto, polêmica por mostrar Djonga pisando em um homem branco, foi pensada pelo próprio rapper e seu amigo da Ceia Ent. (@1993agosto), que também foi o responsável pela fotografia. A direção de arte ficou por conta de Alvaro Benevente (@alvinhocaverna) e os modelos foram Genize Ribeiro (@genizeribeiro) e Bruno Secco (@brunosecco). O disco foi liberado em seu canal oficial no Youtube e em outras plataformas de stream.

Deixe um comentário

*

Direitos reservados. Desenvolvido por Lucas Mantoani.